Nóticias do Papel

BB Investimentos vê forte demanda internacional para celulose

Em uma análise sobre o setor de papel e celulose, o BB Investimentos mostra otimismo com a indústria, principalmente devido à forte demanda na Europa e na China, especialmente para celulose de fibra curta.
 
O fenômeno se explica devido às novas ofertas de papel vindo do mercado.
 
Os analistas do banco destacam que o spread entre fibras NBSK e BHKP também chegaram a níveis bem altos e devem contribuir para aumentos de preços para a fibra curta no curto prazo.
 
Além disso o dólar mais forte deve continuar a afetar positivamente as receitas das empresas.
 
Já para papel, com os preços de celulose em alta, há espaço para aumentos de preços de papel também.
 
Diante disso, o BB-BI espera forte demanda, especialmente no mercado interno, com demanda de caixas de papelão e tissue liderando o movimento, contanto que a economia local mantenha a rota de crescimento.
 
O banco ressalta que em junho, as empresas e o mercado trabalharam duro para recuperar as perdas de maio, resultantes da greve dos caminhoneiros.
 
Os analistas enxergaram maiores volumes vendidos e melhores níveis de produção em quase toda a cadeia, o que beneficiou a performance das companhias.
 
Outro ponto positivo para o mês ficou por conta da valorização do dólar ante o real, impulsionando as receitas com exportações.
 
Uma vez mais, na visão do banco, a Suzano (SUZB3) foi o destaque positivo do mês, subindo 5,0% m/m, contra uma queda do Ibovespa de 10,9% m/m.
 
A aquisição da Fibria (FIBR3) conquistou um passo importante, com as autoridades nos EUA autorizando o processo sem ressalvas.
 
Com relação aos preços de celulose, a tendência de alta tem arrefecido.
 
Não obstante, com a demanda ainda forte, alguns players internacionais já anunciaram aumentos de preços para este mês (julho).
 
O BB-BI vê certa resistência, apesar dos fundamentos continuarem a favor do setor.
 
Na Europa e na China, os preços de BHKP ficaram em USD 1.050/t e USD 769/t, respectivamente, sem alterações nas últimas quatro semanas.
 
Já em relação à NBSK, houve um aumento de 1,6% no mesmo período.
 
O spread entre NBSK e BHKP também subiu, alcançando USD 150/t, próximo aos níveis de 2014, o que abre espaço para aumentos de preços para a fibra curta.
 
Os embarques globais em maio somaram 4,2Mt, uma alta de 2,0% a/a, com celulose de fibra curta subindo 7,1% m/m e 3,3% a/a.
 
Em maio, de acordo com a Ibá, a produção brasileira de celulose chegou a 1.576 kton, queda de 4.9% comparado a maio/17, ainda reflexo da greve dos caminhoneiros que afetou a economia do país no período.
 
As exportações, por outro lado, subiram 8,8% a/a, para 1.238 kton.
 
Durante o mês, a China respondeu por 40% do total exportado, seguido pela Europa com 33%.
 
Já para o segmento de papel, a produção também foi afetada negativamente pela greve e caiu 11% a/a, para 763 kton.
 
Papéis de embalagem e cartão foram os mais afetados, caindo 14,6% a/a e 16,4% a/a, respectivamente. Considerando 2018, a produção foi estável, em 4.216 kton.
 
Fonte: MoneyTimes

CONTATO

SP | RJ | ES

SAIBA MAIS

PARCERIA

IBEMA

SAIBA MAIS

CLASSIFICADOS

WG

SAIBA MAIS

CONTATOS

MAPA DO SITE