Nóticias do Papel

Novo empreendimento de celulose em Lençóis vai aumentar a oferta de empregos

O maior empreendimento privado do Estado, o da ampliação de uma planta de indústria de celulose em Lençóis Paulista, criou uma expectativa grande de geração de empregos nos próximos dois anos na região. O “epicentro” dos investimentos concentrado em Lençóis Paulista e Macatuba vai possibilitar atrair empregos para Agudos, Areiópolis Borebi, Pederneiras, São Manuel, Barra Bonita e Igaraçu do Tietê.
 
Com a economia refreada nos últimos anos, a aquisição da Lwarcell Celulose pelo grupo indonésio Royal Golden Eagle (RGE) em 2018 abriu as perspectivas de contratações de uma demanda de 3,5 mil trabalhadores, podendo chegar ao pico de 7 mil a longo prazo da obra.
 
A construção da nova fábrica está prevista para começar no segundo semestre deste ano, mas desde janeiro já mobiliza as prefeituras da região.
 
Liderado pelo prefeito de Lençóis Paulista, Anderson Prado (PSB), os colegas de Executivo dele têm se reunido regularmente para iniciar um processo de qualificação da mão de obra.  Com objetivo que os recursos sejam investidos na região, por sugestão de Prado, o empreendedor não vai construir um alojamento no município, o que abriria a possibilidade de contratação de operários de fora da microrregião. A ideia é a empresa concentrar as contratações em Lençóis e no entorno, de forma que o trabalhador possa voltar para casa no fim do dia. A proposta foi acatada pela RGE no empreendimento da Brasell Limited, que vai investir na fábrica para ampliar sua capacidade global de celulose. A nova empresa já tem uma unidade em Camaçari, na Bahia. A planta será construída em área que fica em Lençóis Paulista, mas a captação da água do rio Tietê será feita por dutos que vão passar por áreas de Macatuba. As duas cidades entraram em entendimento para que dividam futuramente, de forma proporcional de acordo com o número de habitantes, os eventuais tributos que incidirão para os cofres municipais.
 
Conforme dados fornecidos pela empresa, a ampliação da Bracell/Lwarcel vai ampliar a produção de 250 mil para 1,5 milhão de toneladas/ano de celulose. Essa nova fábrica poderá produzir tanto celulose de mercado como celulose volúvel, usada na produção de viscose. A fase de montagem da fábrica está prevista para setembro. O início da operação é agosto de 2021. A demanda por mão de obra vai aumentar no decorrer do empreendimento.
 

Prefeitos fazem ‘pool’ para contratações

 
O prefeito de Lençóis Paulista, Anderson Prado, vem desde o ano passado conversando com seus colegas de Executivo da região para definir uma estratégia que possa beneficiar a todos nas contratações de mão de obra com a construção da nova planta industrial da RGE/Lwarcell com a instalação de uma indústria de celulose.
 
Em período que todo o país enfrenta desemprego, repentinamente cidades de porte menor como Macatuba, Borebi, Igaraçu do Tietê, Areiópolis, São Manuel, Barra Bonita, Agudos, Pederneiras e Lençóis Paulista onde será instalado o parque fabril tem a possibilidade de geração de novos empregos num período de pelo menos dois anos de uma massa de 3.500 pessoas, podendo chegar a 7 mil, quando entrar em operação a unidade.
 
Havia, no entanto, uma preocupação dessas contratações se “diluírem” caso, por exemplo, a empresa instalasse em Lençóis um acampamento para os trabalhadores. Poderia gerar contratações de mão de obra de fora da microrregião. O problema seria mais pessoas usando a estrutura da saúde e do poder público de Lençóis.
 
Prado afirma que sugeriu e a empresa concordou que se faça as contratações na região, oferecendo a logística de transporte para que o trabalhador venha a Lençóis e retorne à sua cidade. Assim gera emprego no entorno da região.
 
O prefeito de Lençóis diz que é um investimento muito grande, projeto de mais de R$ 6 bilhões de investimentos nos próximos anos. “Tem um reflexo grande na economia e quase que imediato na região. Vamos ter nos próximos três anos a construção da fábrica e isso vai ter impacto na questão da mão de obra”, relata.
 
A estratégia da empresa é buscar mão de obra na região, principalmente na construção civil. Isso, no entanto, vai precisar de melhorar a qualificação desses trabalhadores. Em reunião no mês passado, em Lençóis, com sete representantes do Poder Executivo houve entendimento que todos eles iniciem cursos de qualificação nestes meses.
 
O ápice das contratações está programado para setembro deste ano, mas nesta última semana para preenchimento de 120 vagas já houve filas quilométricas em Lençóis. “É uma oportunidade em um momento que precisamos gerar empregos nos municípios e vamos aproveitar essa onda que esse investimento vai permitir na geração de empregos a nossa região”, cita o prefeito de São Manuel, Ricardo Salaro.
 
A Diretoria de Desenvolvimento de Comércio de São Manuel já está preparando uma série de ações para qualificação profissional de mão de obra, principalmente na construção civil, em setores como pedreiro, auxiliar de pedreiro e carpinteiro. “Vamos trazer treinamento nessa linha. Assim contribui para a formação das pessoas que vão trabalhar e terão oportunidade de serem contratadas nos próximos três anos, mas também a gente deixa um legado de mão de obra preparada para a região”, explica Salaro.
 
O prefeito de Agudos, Altair Francisco Silva, diz que a quantidade de contratações para as obras da fábrica é alta e somente Lençóis Paulista e Macatuba não teriam condições de suprimir a mão de obra. “É um ganha ganha, por isso os prefeitos se reuniram para debater como atender essa demanda. Aqui vamos oferecer cursos de capacitação. A demanda para contratar auxiliar geral é de 980 pessoas ao longo do processo de construção que deve ir até 2022. Mesmo sendo mão de obra menos qualificada, a empresa quer esse pessoal treinado para aumentar a segurança do trabalho e evitar acidentes”, observou Silva. O fato de Agudos estar bem próximo a Lençóis é um bônus. Silva acredita que há capacidade de ofertar de 30 a 40 pessoas. “O município sede e Macatuba devem preencher mais vagas, porque fica menos oneroso para a empresa que vai contratar, principalmente a questão de transporte. Na logística Agudos e Borebi têm potencial para contratação pela proximidade”.
 
O prefeito agudense diz que também deve aumentar o número de arrendamento e aquisição de áreas para plantio. O município tem capacidade para ofertar isso. “Já estamos fazendo um trabalho de melhoria dessas estradas rurais. É um negócio para a nossa cidade e a região inteira”, finalizou o prefeito de Agudos. Para o vice e secretário de Desenvolvimento Econômico de Pederneiras, Marcio Urrea, a expectativa é positiva. “Estamos otimistas com a expansão da Lwarcel/RGE pois muitos pederneirenses terão novas oportunidades de emprego durante a expansão. E, com os novos cursos que a Prefeitura de Pederneiras irá oferecer, muitas pessoas poderão se profissionalizar com qualidade” disse Marcio.
 
Fonte: JCNet
 

CONTATO

SP | RJ | ES

SAIBA MAIS

PARCERIA

IBEMA

SAIBA MAIS

CLASSIFICADOS

WG

SAIBA MAIS

CONTATOS

MAPA DO SITE